Nome:
Localização: aaacarmelitas@gmail.com, Portugal

29 de junho de 2008

S A M E I R O - 2 0 0 8

ENCONTRO NACIONAL DOS ANTIGOS ALUNOS DO SEMINÁRIO DA ORDEM DO CARMO EM PORTUGAL


Apesar de hoje, para mim, ser dia de repouso, depois de um intenso dia de convívio com os poucos antigos alunos que apareceram no encontro anual, não quero deixar de apor aqui algo que tenha a ver com o encontro, se bem que não vá aqui e agora tecer qualquer comentário a propósito do mesmo.
Somente dados:
Estiveram presentes cerca de 25 antigos alunos que, com os acompanhantes, totalizaram cerca de 55 presenças.

O convívio decorreu dentro de toda a normalidade e num clima de muita alegria.

Este convívio, de acordo com o editorial do Vínculo, iniciou-se com a introdução que foi feita à Eucaristia, presidida pelo Pe Frei Pedro Monteiro, O. Carm.

Aqui vos deixo o texto da introdução ao Encontro - reproduzido na íntegra - que foi, por mim, proclamado, antes de se iniciar a Eucaristia.


Irmãs e Irmãos Caríssimos:

É dentro do espírito que presidiu à redacção do editorial do último Vínculo que recebestes, que nos Encontramos aqui reunidos.
E reunidos em Família, para celebrar a alegria que sentimos de poder dar Graças ao Pai Comum, por estarmos a partilhar, todos juntos, a fraternidade e o Amor Universal que a todos nos une e vincula num só.
Nesta Eucaristia que será presidida por um dos irmãos maiores desta nossa Família, vamos

- Dar graças por estar aqui reunidos para celebrar a unidade da Família Carmelita.

- Dar graças por saber que os nossos irmãos que já regressaram à Casa de Origem da Família, estão agora aqui, unidos como um só, connosco, transmitindo-nos a paz e felicidade na qual já vivem no lugar divino em que agora se encontram. E, neste sentido, lembramos os três Irmãos que ultimamente regressaram a Casa e que são o Eugénio da Costa Pereira, o José Manuel Vieira Maia e o José Carlos Ferreira.

- Dar graças por esta família estar agora a mudar a sua caminhada numa unidade maior, com a consciência mais aberta para uma trajecto mais divinizado e também mais virada para o apoio aos irmãos.

- Dar graças por saber que o dia de hoje vai ser um dia de irradiação de luz dentro de cada um de nós e dentro da nossa associação que pretende dar um novo fôlego à nossa vida associativa, integrando-a cada vez mais na Família do Carmelo e na sua espiritualidade.

- Dar graças por saber que iremos sair daqui diferentes mas mais unidos à Família Carmelita, mais identificados com ela, mais interessados em partilhar a sua vivência espiritual e humana.

- Dar graças por saber que a nossa Irmã Beatriz, companheira de vida do nosso Irmão Alexandre Sampaio, ultrapassará todas as vicissitudes por que actualmente está a passar e por saber que sobre Ela o Espírito Santo derrama incessantemente a Sua Luz curativa.

- Dar graças porque estamos aqui reunidos na intenção de renovar os espírito de união com a Família Carmelita e fortificá-lo, numa nova visão do Carmelo e numa nova visão da realidade que é a AAACARMELITAS.

- Assim, aqui reunidos num só, no verdadeiro espírito de unidade Crística, vamos então dar início a este nosso Ágape Divino, que é a Eucaristia.

Como ainda não tenho fotos para publicar, por aqui fico hoje, sendo que amanhã, aqui voltarei para actualizar as informações sobre o encontro.


5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Fruto de profundas reflexões, que se inciaram em Roma no Congresso do Laicado Carmelita, de diversas reunioes em que todos se manifestaram, positiva ou negativamente quanto a espiritualidade dentro da AAACarmelitas,do encontro de novembro de 2007 "almoço muito especial" e mais recentemente o encontro Ibérico do Laicado carmelita, este deverá ser sem quaisquer tipo de recuo o futuro a dar a AAACarmelitas. O Espirito Santo manifestou-se e apelou-nos para que o modelo da AAAcarmelitas seja este, de dar sinais de mudança.
O exemplo para o homem num mundo novo.
ROSALINO DURÃES
JULHO2008

01 julho, 2008 09:30  
Anonymous Mario Neiva said...

Ao Rosalino Durães

Pertences a uma geração de aa.s que não conheci. Mais jovem, com certeza. Tal facto não obsta a que me aproxime para te fazer uma pergunta simples e directa: Qual o modelo, em concreto, da AAAcarmelitas, que seja sinal de mudança e daí resulte um homem (novo) num mundo novo? É que o teu comentário despertou-me a atenção e fiquei com vontade de saber mais.

01 julho, 2008 15:07  
Anonymous jorge dias said...

Olá amicíssimos aas,
Este comentário é um comentário ao do caríssimo secretário da direcção Rosalino Durães, com todo o apreço.
Nada de confusões. Aaacarmelitas é o que é por direito próprio e registo público e documentado. Toda e qualquer influência do Espírito Santo, em que acredito piamente, não poderá ter nunca sinal de anulação da aaacarmelitas puro e simples, a não ser no lugar certo: assembleia-geral e voto secreto. Nada de confusões. Mas com certeza, caro Rosalino, sinais de mudança e não só… Mas o seu a seu dono. Aaacarmelitas é não confessional e assim deve continuar até que outra resolução seja tomada pela via adequada. Por mim, penso que na aaacarmelitas há espaço para quase tudo, desde que haja quem faça, talvez, quem viva. As mudanças jurídicas a implementar visarão principalmente a inclusão no seu seio, formalmente, de elementos não aas, se for o caso.
Todavia, aceito que mudanças pequenas possam não ser suficientes.
Entendamo-nos, nem o cristianismo anulou ou substituiu o judaísmo. Mas tanto espaço que temos para crescer.
Aqui ninguém anula ninguém, aqui todos crescem.
Todos têm direito a tudo num espaço grande e quase absolutamente aberto como é a aaacarmelitas.
Nada de precipitações: aaacarmelitas é uma marca registada e merece respeito, até do Espírito Santo. Nós sabemos que Ele respeita. Nós respeitaremos como é óbvio.

Oh Homens de pouca fé… partam à descoberta.
De raiz, caros amigos… vamos a isso. Para quê sinais de provocação ou outra coisa qualquer mais agressiva?
À descoberta, e, aí sim, confiem no Espírito Santo… também vou nessa para ver para onde se quer ir. Depois logo se verá. Mas se for por bem, por bem irei. Se for por mal, de lá sairei…
Façam a Páscoa amigos, a Páscoa… mas depois não chorem pelas cebolas podres do Egipto. Venha a Páscoa e logo haveremos de encontrar esse outro espaço, qual terra prometida! Poderia, por ventura ser de outra maneira!?
Vejo que há vida e vida espiritual… Que lindo sinal neste século definido já como o século do homem espiritual.

02 julho, 2008 01:03  
Anonymous Anónimo said...

Ao Meu grande Amigo ROSALINO DURÃES
-Pelo poder do Espirito Santo
A moral social faz surgir um moralista,
Os compromissos cívicos fazem desabrochar um cidadão responsável,
A religião faz nascer um filantropo´
O amor pela família torna o ser humano menos egoísta,
Porém nenhuma dessas coisas faz o homem nascer de novo,
Estar em Cristo não é somente frequentar uma Igreja,
ou cumprir cerimonias religiosas,
Mas é um desejo de ser transformado,Conforme a imagem do Senhor,Viver em Cristo não é só ir para igreja,Ou aprender credos religiosos,Mas é uma vontade de ser mudado,Conforme a semelhança do Senhor, Logo,andar como Jesus andou só é possível pelo poder do Espírito Santo. D/A

02 julho, 2008 23:57  
Anonymous Mário Neiva said...

Pena que o Espirito Santo actue só onde é desejado...
Todos os moralistas, filantropos, religiosos, bons pais de familia e cívicos que nunca ouviram falar do Espirito Santo, portanto não tiveram sequer oportunidade de o desejar,passaram ao lado da riqueza do Espirito Santo! E foram tantos biliões os desprotegidos da sorte!
Penso que não estará lá muito certo afirmar que os nossos actos valem uma coisa ou valem outra conforme a fé (no Espirito Santo) que se tem. Um acto humano vale por si mesmo. Para o "bem" ou para o "mal". Com ou sem Espirito Santo.
Qualquer cristão aprende desde pequenino: «Tive fome e deste-me de comer, estava nu e vestiste-me, estava na prisão e visistaste-me...-Senhor nunca te vi!-Tudo o que fizeste ao mais pequenino...»
Há lições aprendidas dos nossos "pais" que nunca deveriamos esquecer.
Eu sei que é muito dificil aceitar esta verdade fundamental: Tudo começa, para cada ser humano único e irrepetivel, com o nascimento. E só nascemos uma vez.Só em metáfora nasceremos duas ou vinte vezes.
Não poderemos dizer, no dia do Juizo Final, que aquilo de vestir Deus nos pobres é uma linda metáfora para entreter os meninos na catequese...
«Porém nenhuma destas coisas faz o homem nascer de novo». Concordo plenamente e justifico: porque já somos nascidos.

03 julho, 2008 08:35  

Enviar um comentário

<< Home